Capítulo 20 - Os Símbolos Sabianos - amostragem




Seu Livro de Vida

Quase tudo o que você quer saber
 sobre Astrologia da Alma e do Auto-Conhecimento
Em 22 Capítulos/Volumes
© 2008 Janine Milward


Capítulo  20


Símbolos Sabianos


Re-Leitura do Trabalho
de Dane Rudhyar
e Algumas Palavras sobre o Trabalho
de Marc Edmond Jones

Janine Milward


Editora Estrela do Belém




SEU LIVRO DE VIDA

AMOSTRAGEM DO CAPÍTULO 20
Os Símbolos Sabianos

Trazendo a descrição completa dos Temas a serem abordados
E alguns trechos dos vários textos apresentados

Em
 http://seulivrodevida.blogspot.com
você encontrará
a Amostragem de cada um dos 22 Capítulos/Volumes
e também
Como Adquirir os Capítulos/Volumes de Seu Livro de Vida!


Temas a serem abordados no Capítulo 20 ORIGINAL
(em 91 páginas):


Dois Dedos de Prosa, caro Amigo das Estrelas!

Apresentação da Obra
Seu Livro de Vida
Sobre Seu Livro de Vida
e sobre O Risco do Bordado,
o mapa astral natal,
e sobre os demais mapas coadjuvantes
Sobre o Encadeamento dos Temas
ao longo dos 22 Capítulos/Volumes de Seu Livro de Vida
Síntese dos 22 Capítulos



Algumas Palavras
Sobre meu interesse acerca os livros
de Dane Rudhyar e de Marc Edmond Jones
que trazem os 360 graus da Mandala Astrológica
através os Símbolos Sabianos


PRIMEIRA PARTE

Sobre os Símbolos Sabianos
e alguns de seus usos dentro da consultoria astrológica,
do aprofundamento da compreensão sobre o Risco do Bordado
 em seu Baile de Arquétipos
 e em nossa vida cotidiana

Como Encontrar o Símbolo mais adequado
Os Símbolos sendo usados como ferramenta eficaz
Na Retificação ou na Ratificação do horário correto de nascimento/evento
Os Símbolos auxiliando no aprofundamento do auto-conhecimento
acerca os Arquétipos constantes no Risco do Bordado
Sobre as formas oraculares
advindas dos 360 graus simbólicos da Mandala Astrológica
Como consultar uma das possibilidades oraculares
apontada por Dane Rudhyar
em seu livro sobre os Símbolos Sabianos:


SEGUNDA PARTE

Algumas Palavras
Sobre Dane Rudhyar e seu Livro sobre Os Símbolos Sabianos

Os Símbolos Sabianos
Uma síntese/re-leitura de Janine Milward
sobre a leitura de Dane Rudhyar
 que por sua vez se apoiou em Marc Jones
 em sua interpretação dos Símbolos Sabeus da antigüidade,
trazidos à consciência por uma médium, no começo do século vinte.


TERCEIRA PARTE

Algumas Palavras
Sobre Marc Edmond Jones
 e seu Livro sobre os Símbolos Sabianos

The Clairvoyant Factor
Sobre a leitura e interpretação
de Marc Edmund Jones
acerca os Símbolos Sabianos


QUARTA PARTE

Um Exemplo de Risco do Bordado de Caminhante
com seus Arquétipos mais proeminentes apresentando
seus Símbolos Sabianos
a partir das Leituras de Dane Rudhyar e de Marc Edmond Jones
-  bem como da Re-Leitura de Janine Milward
Seu Livro de Vida Personalizado




Os Símbolos Sabianos


ALGUNS TRECHOS EXTRAÍDOS DO CAPÍTULO 20:


Algumas Palavras
Sobre meu interesse acerca os livros
de Dane Rudhyar e de Marc Edmond Jones
que trazem os 360 graus da Mandala Astrológica
através os Símbolos Sabianos

Bem, eu vivia o miolo dos anos oitenta e trilhava meus primeiros passos dentro da compreensão da ciência subjetiva do céu estrelado, a Astrologia,  quando soube acerca o livro de Dane Rudhyar - Uma Mandala Astrológica - O Ciclo de Transformações e suas 360 Fases Simbólicas - , e pedi a um amigo meu para me trazer uma edição, em inglês ou francês ou espanhol, de uma de suas viagens à Europa.  Alguns meses depois, me veio à mão a edição inglesa - para minha total alegria.

As minhas outras edições, em francês e em espanhol, foram por mim adquiridas em boa livraria no centro do Rio de Janeiro, de propriedade de dois irmãos argentinos que importa(va)m maravilhosos livros estrangeiros sobre todos os assuntos acerca as ciências metafísicas e espirituais.

Somente alguns anos mais tarde é que a tradução brasileira foi publicada, pela Editora Pensamento - de onde eu acabei extraindo os Símbolos em si e ainda uma síntese do pensamento de Dane Rudhyar, que aparecem neste Capítulo 20 ora apresentado ao Amigo das Estrelas.

Um outro amigo meu, certa vez, já no ano de 2006, veio me visitar no Sítio das Estrelas e me trouxe seu livro sobre os Símbolos de autoria de Marc Edmond Jones, me dizendo  que não era um presente e sim, apenas um empréstimo sine die para devolução do mesmo - para minha total alegria!

Portanto, caro Amigo das Estrelas, este Capítulo 20 é dedicado à Mandala Astrológica e aos  360 Símbolos Sabianos que podem ser apreendidos a partir de sua totalidade.

É certo que existem outros Símbolos acontecendo em outros alfarrábios - eu mesma possuo mais dois livros sobre os  360 graus simbolizados sob outras visões,  mas confesso que prefiro o ponto de vista de Dane Rudhyar, em primeiro lugar, e o de Marc Edmond Jones, em segundo lugar.  

Não sei dizer o porquê exatamente dessas minhas preferências.  Talvez eu pense que Dane Rudhyar seja bem mais simples de ser compreendido - mesmo porque, apesar das demais traduções, eu sempre me refiro ao meu alfarrábio em português... e meu pobre livro em edição, na língua portuguesa,  encontra-se em frangalhos, pobre coitado, de tanto ser usado e re-usado! 

O livro de Marc Edmond Jones vem em sua língua original, em inglês, e penso que este autor tenha uma forma bem difícil de se expressar - muitas das vezes, tive uma certa dificuldade em compreender seu inglês cheio de arabescos intelectuais e, em continuidade, de fazer a tradução de seu pensamento para a língua portuguesa.

Eu gostaria de acrescentar o fato de que o livro de Dane Rudhyar baseia-se nos Símbolos propriamente ditos apresentados por Marc Edmund Jones e não nas interpretações desses mesmos símbolos por este último.  Aliás, na grande maioria dos casos, as interpretações são bem diferenciadas, eu diria!

De qualquer forma, minha intenção não é a de traduzir ipsis literis aquilo que Rudhyar ou que Jones teriam escrito e pensado.  Minha intenção era a de fazer uma certa síntese do pensamento de cada um desses dois autores - e certamente, sabemos sempre que se conta um conto se aumenta mais um ponto.., acabei eu fazendo quase uma re-leitura, digamos assim, do trabalho de Dane Rudhyar.  E penso que, mais para o futuro, estarei voltada para a tradução literal e sintetizada dos 360 símbolos e suas interpretações sob a visão de Jones.

O resultado do meu trabalho em relação à re-leitura da interpretação de Rudhyar (dentro da manutenção dos Símbolos como se apresentam desde Jones) é aqui apresentado ao Amigo das Estrelas, através o Capítulo 20.



Algumas Palavras
Sobre Dane Rudhyar 
e seu Livro Os Símbolos Sabianos


Dane Rudhyar, primeiramente, deixa bem claro que estará realizando uma separação entre os Dois Processos que podem ser vistos dentro de uma Mandala Astrológica: o hemiciclo inferior - que podemos denominar de Hemisfério Yin -, e o hemiciclo superior - que podemos  denominar de Hemisfério Yang. (Aliás, Dane Rudhyar assim denomina os dois hemisférios).

O Primeiro hemiciclo é denominado por Dane Rudhyar como O Processo de Individualização e vai de Áries 1 até Virgem 30.

O Segundo hemiciclo é denominado como O Processo de Coletivização e vai de Libra 1o a Peixes 30o.

No entanto, Dane Rudhyar também trouxe Atos que representassem um conjunto de três signos - uma Estação -, perfazendo, assim, dois Atos dentro de cada hemiciclo:

Primeiro Hemiciclo: O Processo de Individualização
Ato I: Diferenciação - cobrindo os graus desde Áries 1 até Gêmeos 30.
Ato II: Estabilização - cobrindo os graus Câncer 1 até Virgem 30.

Segundo Hemiciclo: O Processo de Coletivização
Ato III: Integração de Grupo
Ato IV: Capitalização

Dane Rudhyar deu continuidade ao seu pensamento acerca os Hemiciclos contendo os Processos de Individualização e de Coletivização e acerca os Quatro Atos intitulando diferentes momentos - As Quatro Estações contidas dentro da Mandala Astrológica, a meu ver -, nomeando-os como Diferenciação, Estabilização, Integração de Grupo e Capitalização.  Esta continuidade de pensamento aconteceu através uma maior especificidade  - a introdução das Cenas - dentro de cada um desses Atos e de cada uma desses dois Processos:

Primeiro Hemiciclo: O Processo de Individualização

Ato I: Diferenciação

Cena Um: Desejo (Áries 1o - 15o)
Cena Dois: Potência (Áries 16o - 30o)
Cena Três: Substanciação (Touro 1o - 15o )
Cena Quatro: Confirmação (Touro 16o - 30o)
Cena Cinco:  Descoberta (Gêmeos 1o - 15o)
Cena Seis:  Exteriorização (Gêmeos 16o - 30o)

Ato II: Estabilização

Cena Sete:  Decisão (Câncer 1o - 15o)
Cena Oito:  Consolidação (Câncer 16o 0 20o)
Cena Nove:  Combustão (Leão 1o - 15o)
Cena Dez:  Liberação (Leão 16o - 30o)
Cena Onze: Caracterização (Virgem 1o - 15o)
Cena Doze: Educação (Virgem 16o - 30o)

Segundo Hemiciclo: O Processo de Coletivização

Ato III:  Integração de Grupo

Cena Treze:  Transfiguração (Libra 1o - 15o)
Cena Quatorze:  Reconstrução (Libra 16o - 30o)
Cena Quinze:  Comunhão (Escorpião 1o - 15o)
Cena Dezesseis:  Fé (Escorpião 16o - 30o)
Cena Dezessete:  Abstração (Sagitário 1o - 15o)
Cena Dezoito:  Transferência (Sagitário 16o - 30o)

......................................................................................... (a continuidade deste Texto encontra-se no original do Capítulo 20)




Como consultar uma das possibilidades oraculares
apontada por Dane Rudhyar
em seu livro sobre os Símbolos Sabianos

Muna-se de um baralho comum de cartas. 

Os quatro Reis dos quatro naipes vão representar os signos Cardinais. 
As quatro Rainhas dos quatro naipes vão representar os signos Fixos. 
E os quatro Valetes dos quatro naipes vão significar os signos Mutáveis.

Segundo Dane Rudhyar,
Copas poderá significar, então, a Primavera;
Ouros, o verão;
 Espada, o outono;
e Paus, o inverno.

Sendo assim, 

O Rei de Copas representa o signo de Áries; o Rei de Ouros, representa o signo de Câncer; o Rei de Espada, representa o signo de Libra; o Rei de Paus, representa o signo de Capricórnio.

A Rainha de Copas representa o signo ..................

................................................................................ (a continuidade deste Texto encontra-se no original do Capítulo 20)




Os Símbolos Sabianos

Uma síntese/re-leitura de Janine Milward
sobre a leitura de Dane Rudhyar
 que por sua vez se apoiou em Marc Jones
 em sua interpretação dos Símbolos Sabeus da antigüidade,
trazidos à consciência por uma médium, no começo do século vinte.


Ao longo de sua exposição de cada um dos Símbolos dos 360 graus da Mandala Astrológica, Dane Rudhyar vai apresentando a Fase, o Signo e o Grau e então, o Símbolo propriamente dito.  Depois, traz uma síntese denominada Idéia Básica.  Em um ou dois parágrafos, mais longos ou mais curtos, dependendo do que tenha a dizer, ele expõe seus conceitos a respeito do Símbolo comentado.  Finalmente, Dane Rudhyar comenta acerca o estágio dentro da seqüência de cinco fases e apresentava a palavra-chave.

Eu apresento cada um dos Símbolos assim como aparecem na tradução em português realizada pela Editora Pensamento, conservo a Palavra-Chave sem comentar as questões sobre fases, estágios e seqüências e também não faço comentários sobre a Idéia Básica, me concentrando apenas ?!?! em sintetizar/re-ler o desenvolvimento do conceito acerca cada Símbolo.  E devo dizer que realizei este trabalho somente anos e anos depois de ter vindo experienciando os Símbolos tanto dentro de minha consultoria astrológica junto aos Caminhantes/Clientes quanto de forma pessoal, em consultas oraculares diárias.

Penso ser importante apresentar estes Símbolos através os Processos nomeados por Dane Rudhyar, os Atos e Cenas bem como os Três Níveis (Atuacional, Emocional-Cultural e Individual-Mental) - de forma que seja mais viável nossa compreensão e nossos estudos e nossa experienciação  sobre o trabalho do grande mestre, assim eu penso.

Em vários Capítulos de Seu Livro de Vida, sempre que aparecem os Símbolos Sabianos, são eles extraídos do trabalho abaixo apresentado ao Amigo das Estrelas:




Os Símbolos Sabianos:


O grau 30 de Peixes ou 00 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que tem o dom de projetar e visualizar de forma extremamente concreta os seus ideais e suas visões sobre a vida de forma geral e sobre si mesma. Em continuidade ao símbolo precedente, essa pessoa tem o dom da percepção da essência de tudo. Para tanto, sua palavra-chave é "arquetipalização".

Os graus 30 de Peixes ou 00 de Áries e 01 de Áries se conjugam num ciclo em que o primeiro nos fala sobre o Fim e o segundo nos fala do Começo. O Fim é simbolizado através da Arquetipalização ou forma de percepção e apreensão das verdades do universo. O Começo (abaixo) é simbolizado pela ação primeira de vivenciar - o impulso de ser - cada degrau do Caminho das Estrelas, que possui 360 degraus ou graus do Zodíaco...



Primeiro Hemiciclo: O Processo de Individualização

Ato I: Diferenciação
Cena Um: Desejo (Áries 1o - 15o)

Primeiro Nível:  Atuacional

Uma mulher recém saída do mar; uma foca a abraça. 
O grau 01 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, possui, intuitivamente e intrinsecamente, um "Impulso de Ser" (sua palavra-chave) , uma maneira de viver seu eu e sua vida no sentido mais marcado pela sua força interior, por suas memórias inconscientes, por sua simples necessidade de viver a vida, simplesmente.

Um comediante revela a natureza humana. 
O grau 02 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, vai aprendendo a olhar mais objetivamente e forçosamente tanto para si mesma como para as outras pessoas que a rodeia. Para tanto, sua palavra-chave é "Objetivação da Consciência".

Um camafeu com o perfil de um homem, sugerindo a forma de seu país. 
O grau 03 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, vai tendo oportunidades de amadurecer enquanto pessoa individual bem como pessoa social e principalmente vai se conhecendo cada vez mais profundamente até poder alcançar um estágio tão elevado de auto-conhecimento e de sabedoria em relação quais são suas missões a serem exercidas nesta vida que atinge uma patamar de "Participação numa Vida mais Ampla", sua palavra-chave.

Um casal de namorados passeando numa estrada afastada. 
O grau 04 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, possibilita para si mesma um auto-conhecimento e aceitação de sua individualidade da mesma forma que também passa a procurar o outro lado de sua moeda, passa a buscar a "Polarização" (sua palavra-chave), ou seja, ingressa no mundo da dualidade.

Um triângulo dotado de casas. 
O grau 05 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, aspira alcançar ideais mais elevados ou uma vida mais dedicada às sutilezas do espírito e da arte. Para tanto, sua palavra-chave é "Uma Nova Dimensão de Ser". No entanto, é preciso que esta pessoa não fique apenas em seus sonhos ideais mas os transforme em realidade.


Segundo Nível:  Emocional-Cultural

Um Quadrado, com um dos lados profusamente iluminado. 
O grau 06 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, diferente do símbolo anterior, busca estabilizar e bem estruturar sua vida em todos os aspectos práticos e objetivos. Para tanto, sua palavra-chave é "Uma Premência unilateral por estabilidade interna".

Um homem logra expressar-se simultaneamente em dois reinos. 
O grau 07 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, tem a oportunidade de bem aprender a conviver com seus vários aspectos, ou pelo menos, dois aspectos fundamentais: o mundo visível e o mundo invisível. Para tanto, sua palavra-chave é "Viver duas vidas distintas".

Um grande chapéu feminino com fitas sopradas pelo vento leste.
O grau 08 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, dedica-se ao conhecimento dos temas mais sutis, artísticos ou espiritualizados e ao mesmo tempo busca, e encontra, "Formas Protetoras" com as quais pode lidar com confiança para intensificar suas buscas interiores e exteriores e poder bem agir e vivenciar sua "Sensibilidade". Para tanto, suas palavras-chaves são "formas Protetoras" e "Sensibilidade".

Um visor de cristal. 
O grau 09 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, vai bem desenvolvendo sua inteligência e sua concentração, buscando inclusive instrumentos objetivos que possam, através deles, objetivar seu mundo subjetivo. Para tanto, sua palavra-chave é "Atenção Concentrada".

Um professor dá novas formas simbólicas a imagens tradicionais. 
O grau 10 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, vai desenvolvendo uma intensa criatividade e inteligência no sentido de criar novas formas que possam ficar no lugar das formas já ultrapassadas. Para tanto, sua palavra-chave é "Abstração", ou seja, essa pessoa aprende a mergulhar mais profundamente no âmago, na essência das questões, para assim poder modificá-las.


Terceiro Nível: Individual-Mental

O dirigente de uma nação. 
O grau 11 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, vai descobrindo seu poder e sua autoridade, podendo usar ambos em sua maturidade. Para tanto, sua palavra-chave é "Centralização de Poder". Essa questão, não é no entanto, apenas intuitiva, ela é trabalhada, burilada, conquistada.

Uma revoada, em forma triangular, de um bando de gansos selvagens. 
O grau 12 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, vai buscando a realização de uma imagem mental de ordem universal, destacada da ordem humana e social em que vive. ´E uma pessoa que busca sua transcendência de mente e de alma e para tanto confia enormemente na "Ordem Cósmica", sua palavra-chave.

Uma bomba que não explodiu revela um protesto social fracassado. 
O grau 13 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, procura estabelecer sempre uma harmonização, uma reconciliação entre o ideal espiritual e a realidade demasiado terrena, na maioria das vezes, negando esta última. Também este símbolo pode nos revelar uma pessoa ou situação que se rebela contra o status quo social porém não possui força ou maturidade suficientes para tal empreendimento. Para tanto, sua palavra-chave é "Frustração Adolescente".

Uma serpente enrodilhando-se perto de um homem e de uma mulher. 
O grau 14 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, antes de identificar-se plenamente com sua função exclusiva e egóica, procura pelo outro ideal, o companheiro ideal, a polarização ideal, para que juntos, possam então construir algo de valioso - mesmo que baseado em algum tipo de rebelião do status quo da sociedade. Sua palavra-chave é "Ritualização do Relacionamento".

Um índio tecendo uma manta ritual. 
O grau 15 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, procura estabelecer primeiramente para si mesmo e depois para que os outros possam lhe acompanhar, uma estrada, um caminho de Luz e de Plenitude espirituais. Este grau é abençoado pela palavra-chave " Satisfação do Desejo".... No entanto, é preciso que se tome cuidado e bastante responsabilidade com o "desejo".


Primeiro Hemiciclo: O Processo de Individualização
Ato I: Diferenciação
Cena Dois: Potência (Áries 16o - 30o)

Primeiro Nível: Atuacional

Espíritos da natureza são vistos em ação à luz do sol. 
O grau 16 de Áries nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua vida, procura viver sintonizado com os ritmos naturais do universo ao mesmo tempo também vivenciando sua mente de maneira não-racional, intuitiva e holista. Sua palavra-chave é "Repotencialização".

.................................................................................................. (a continuidade deste Texto encontra-se no original do Capítulo 20)




Algumas Palavras
Sobre Marc Edmond Jones
 e seu Livro sobre os Símbolos Sabianos


O livro The Sabian Symbols in Astrology, de Marc Edmund Jones, primeiramente, ao longo de seus dez primeiros capítulos, irá tratar de questões acerca o poder do simbolismo, as bases da Astrologia através vários temas (inclusive a Astrologia Horária) bem como a retificação de mapas a partir dos Símbolos.  Este primeiro grupo de capítulos é denominado de O Simbolismo na Análise do Horóscopo (Symbolism in Horoscope Analysis).

Os capítulos onze e doze vão tratar dos Símbolos Sabianos, primeiramente através suas explicações iniciais e depois através a conceituação e os comentários acerca os 360 graus simbólicos realizados através suas oposições e complementariedades.  Finalmente, o autor nos brinda com The Clairvoyant Factor, ou seja, nos revela as questões voltadas para seu trabalho junto à senhora clarividente que trouxe à tona os Símbolos Sabianos, ou Sabeus.

Na terceira parte de seu livro, Marc Edmund Jones, em seus capítulos treze e quatorze, nos fala sobre Exemplos de Horóscopos (são mil dados de nascimento de pessoas famosas e descrição dos graus das Casas Astrológicas e dos Luminares e dos Planetas, de Mercúrio até Plutão!) e de Como Fazer um Horóscopo, nos apresentando, finalmente, uma síntese sobre Signos, Planetas e Casas Astrológicas acolhendo Elementos, Qualidades e Gêneros e Aspectos e Exaltações - tudo isso por ele intitulado por The Astrological Essentials.

A meu ver, o livro de Marc Edmund Jones faz uma fusão entre valores mais primordiais da Astrologia com valores mais avançados - a julgar pelos Símbolos Sabianos que são de uma profundidade ímpar!


Sobre a leitura e interpretação
de Marc Edmund Jones
acerca os Símbolos Sabianos


Marc Edmond Jones faz sua leitura e sua interpretação dos Símbolos Sabianos a partir de suas questões Opostas e Complementares.  Ele vai estar sempre levando em consideração o fato de que existem conceitos duais para cada um dos 360 símbolos, ou seja, existe a singularidade de cada grau pertencente à Fase Pessoal dos Signos da Astrologia - de Áries a Virgem - e existe a pluralidade de cada grau pertencente à Fase Social dos Signos da Astrologia - de Libra a Peixes.

Todo o tempo, Jones vai realizando dessa forma sua leitura e interpretação dos Símbolos Sabianos bem como dentro de cada um dos símbolos comentados vai também trazendo seus conceitos sobre a positividade e a negatividade contidas nos mesmos.  Ao final de cada um dos  símbolos, Jones faz uma referência à formula e também cita alguns dos exemplos de horóscopos presentes em seu livro que trazem este símbolo seja nos luminares ou nos planetas!

Como um  Exemplo (em tradução minha literal e com minhas desculpas... porque penso que Jones é bem difícil de ser traduzido):

Para o Grau 1 de Áries, Jones diz: “Uma mulher surge da água, uma foca surge e a abraça.
Este é um símbolo de potencialidade inteiramente incondicionada - de forma que tenha que ser compreendido a partir do lado prático da vida.

Aqui encontram-se elementos da alma que emerge a partir da não-existência primordial, e a partir de uma receptividade essencialmente feminina buscando por uma iniciativa masculina ou pessoalmente ansiando por uma forma de iniciativa.  A palavra-chave é REALIZAÇÃO (Compreensão, Entendimento) .

 Quando positivo, este grau fala de uma ilimitada experiência que alguém pode alcançar sob quaisquer circunstâncias.  Quando negativo, uma impossibilidade em encontrar um lugar na vida em função do fato de que o Self não pode se separar de suas próprias obsessões.”

..............
A meu ver, a palavra Realization pode significar Realização no sentido de fazer acontecer alguma coisa como pode significar Compreensão, Entendimento, sobre alguma questão.  A palavra Realization vem do verbo To Realize que significa Compreender.
................

Para o Grau 1 de Libra, Jones diz:  “Uma borboleta feita perfeita por um dardo que a atravessa.
Este é um símbolo de potencialidade completamente incondicionada, desde que pode fazer parte do lado imaginativo da vida.  Aqui acontecem elementos de consciência individual emergindo de uma não-formação primordial e de sabedoria podendo ser desenvolvida através a determinação contínua do espírito humano de forma a projetar a si mesmo em suas experiências.  Cada pessoa torna-se um ser identificável através a natureza que a modelou e que posteriormente pode refinar através suas próprias auto-expressões.  A palavra-chave é ARTICULAÇÃO.  Quando positivo, o grau significa o despertar do homem para a necessidade de trazer para si mais focos de caráter  de plenitude anímica.  Quando negativo, a perda de toda real identidade pessoal através uma ausência de busca pelo mundo e de conformidade com suas formas de ser.”
.....................

Para o Grau 1 de Câncer, Jones diz:  “Uma bandeira enrolada e desenrolada disposta num navio.

Este é um símbolo do extremos ais quais um indivíduo atua dentro de suas questões práticas através as quais ele se vê diante de suas várias situações de vida, e de sua capacidade de se comprometer ou de reverter quaisquer situações sempre que isto for necessário na busca de seus metas.  Aqui encontra-se uma determinação inflexível de forma a alcançar qualquer ambição, e sua preparação consistente para cada uma das eventualidades que podem ser antecipadas.  Ele se entristece quando não pode se sentir a salvo e a um passo adiante de si mesmo.  A  palavra-chave é ADAPTABILIDADE.  Quando positivo, o grau é como um dom para a realização dos ajustes altamente enriquecedores em todas as inter-relações desenvolvidas com as demais pessoas.  Quando negativo, a vacilação existe, senão a instabilidade.”

Para o Grau 1 de Capricórnio, Jones diz:  “Um chefe indígena buscando por reconhecimento.
Este é um símbolo de fidelidade extrema do individuo normal às questões do cotidiano ou a aceitação dos valores da vida, e de seu não-comprometida integridade interior em relação às situações que lhe vão acontecendo.  Aqui encontra-se sua determinação em manter todas as vantagens ganhas por nascimento ou através experiência, e de agarrar todas as oportunidades de auto-expressão genuína.  Ele se entristece se não puder se sentir seguro no lugar que realizou para si mesmo.  a palavra-chave é INFLEXIBILIDADE.  Quando positivo, o grau aponta para uma autoridade sempre efetiva, seguidora de sua própria visão e com uma consistente dignidade de caráter.  Quando negativo, pomposidade inútil e uma forma de ser e de atuar questões menores.”

................................................. (a continuidade deste Texto aparece no original do Capítulo 20)



Um Exemplo de Risco do Bordado de Caminhante
com alguns de seus Arquétipos mais proeminentes
 apresentando seus Símbolos Sabianos
a partir das Leituras de Dane Rudhyar e de Marc Edmond Jones
-          bem como da Síntese/Re-Leitura de Janine Milward

Seu Livro de Vida Personalizado

Como já comentei anteriormente, eu costumo usar dois Símbolos para apresentar cada um dos Arquétipos.  Sendo assim, o Amigo das Estrelas irá encontrar primeiramente a transcrição da edição em português dos Símbolos a partir da visão de Dane Rudhyar; em seguida, a minha síntese e re-leitura do mesmo; e finalmente, a transcrição dos Símbolos a partir da visão de Marc Edmund Jones, através minha tradução literal e pedindo desculpas sobre a mesma... (porque, como já disse mais atrás, eu não venho trabalhando com os Símbolos de Jones e por esta razão, penso não estar tendo bons resultados na tradução dos mesmos).

Minha intenção neste Exemplo é a de apresentar ao Amigo das Estrelas a possibilidade de nos aprofundarmos na compreensão de nós  mesmos ou na compreensão do Risco do Bordado de Caminhantes/Clientes através os Símbolos Sabianos.  É certo que temos que levar em consideração as Casas onde os Arquétipos se encontram e os Aspectos que eles fazem entre si - de forma a bem interpretarmos as inter-relações simbólicas entre todos.

E meu conselho ao caro Amigo das Estrelas é que faça por si mesmo esta tarefa, para cada de seus Arquétipos constantes em seu Risco do Bordado pessoal, seu mapa astral natal, não esquecendo de incluir Ascendente, Descendente, Fundo do Céu e Meio do Céu e os Pontos vários e as Entradas de Casas Astrológicas.

Abaixo, o Amigo das Estrelas encontrará um Risco do Bordado e alguns de seus Símbolos Sabianos para seus arquétipos mais proeminentes - Sol, Lua, Ascendente e Regente do Ascendente.

O Risco do Bordado do Caminhante
(com sua devida anuência)


Existem quatro energias mais fundamentais dentro de nossa leitura do Risco do Bordado, do mapa astral natal.  Elas são, em ordem de importância:

.           nosso Sol - que vem representar nosso Espírito ligado a Deus, ao Tao da Criação, nossa luz maior nessa encarnação;

.           nossa Lua - que vem representar nossa Alma que traz em si, em seu bojo, nosso Espírito, fazendo com que a encarnação possa vir a acontecer com verdadeira Vida;

.           nosso Ascendente - que vem representar nossa encarnação, nossa materialização propriamente dita dentro do Planeta Terra, nossa energia mais concretizada e óbvia e objetivada e que acolhe a Alma e o Espírito e realiza suas funções - através do Ego - e suas missões dentro do Planeta Terra;

.           e finalmente, o arquétipo, o símbolo, que é o regente do Ascendente, seja Luminar - Sol e Lua - ou seja algum Planeta, e que vem representar nossa forma mais imediata e direta de acionarmos nossa encarnação, na Terra.

Sobre o Sol

Sobre o grau 11 de Câncer:

Segundo Dane Rudhyar:

“ Fase 101 (Câncer a 11o):  Um palhaço imita, de modo caricatural, personalidades conhecidas.

Idéia Básica:  O valor do humor no desenvolvimento da objetividade e da independência de pensamento.

O humor ou a ironia são um poderoso instrumento de apreciação do valor das realidades sócio-culturais e, portanto, de auto-libertação da ostentação e do preconceito.  O riso descondiciona e com freqüência abre o caminho para compreensão de que não precisamos impressionar-nos indevidamente com aquilo que nossa tradição de certa maneira forçou sobre nossa consciência.  o palhaço, com efeito, é a mais popular manifestação dessa premência de rir, que parece ser uma característica extremamente básica da natureza humana.  A caricatura e a sátira são formas mais intelectuais dessa mesma necessidade de liberdade intelectual.

Neta vigésima primeira seqüência quíntupla, testemunhamos o desenvolvimento da verdadeira individualidade no homem.  E o primeiro passo nessa direção se reveste de um caráter catártico - a capacidade de rir, que inclui a capacidade de rir dos pequeninos hábitos e maneirismos pessoais - na realidade, rir da própria pompa.  Trata-se de um passo de DESCONDICIONAMENTO. “


Segundo minha (Janine Milward) Síntese/Releitura:

O Grau 11 de Câncer nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua existência, coloca bem claro o valor do humor no desenvolvimento da objetividade e da independência do pensamento. Para tanto, sua palavra-chave é "Descondicionamento".


Segundo Marc Edmundo Jones:

“  Um palhaço fazendo caretas.  Este é um símbolo de continuada auto-procura de maneira que a personalidade cotidiana do homem possa sustentar suas características particulares, e da parte de tentativa de experienciação através a qual as incertezas da vida podem ser dramatizadas para aceitação ou rejeição - sem incorrência em penalidades.  Aqui encontra-se uma ênfase no ridículo como uma exageração instrutiva da natureza humana, ou como uma exibição de suas incompetências de forma que ocorra uma estimulação direta de melhoras nas auto-realizações.  A palavra-chave é INIMITABILIDADE.  Quando positivo, o grau aponta para  as definições efetivas das qualidades de um indivíduo ou seu impacto cotidiano sobre os outros.  Quando negativo, uma perda de influência pessoal através ausência de metas a serem auto-exploradas. !



Sobre o grau 12 de Câncer:

Segundo Dane Rudhyar:

“Fase 102 (Câncer 12o):  Uma chinesa cuidando de um bebê, cuja aura revela ser ele a reencarnação de um grande mestre. 

Idéia Básica:  A revelação do valor latente de uma experiência, quando a vemos em seu significado mais profundo.

Em contraste com o símbolo do ‘palhaço”, que nos mostra a capacidade do homem no sentido de criticar seus maneirismos superficiais e gestos ou hábitos automáticos, bem como de rir deles, temos agora um símbolo que exige que olhemos para além das aparências comuns e tentemos descobrir o caráter “oculto” (isto é, escondido) de toda pessoa e experiência.  Este símbolo tem sido exaltado de maneira indevida; não há nele nenhuma referência particular a um avatar ou messias, exceto no sentido de que todo homem é, potencialmente, a encarnação ou manifestação de uma Alma dotada de uma função definida e relativamente ímpar no vasto campo de atividade que chamamos Terra.  Para descobrir esse potencial oculto do ser, requer-se uma “visão” mais profunda ou elevada, uma percepção holista - que costuma, mas nem sempre com justiça, merecer o nome de clarividência.  O caricaturista também tem de desenvolver um tipo especial de “visão”, que lhe permita extrair os atributos salientes de uma personalidade exterior ou de um rosto.  Ele toma as partes mais características de um todo; o verdadeiro clarividente percebe o significado essencial (ou “mensagem” e função) do todo.

O contraste entre o primeiro e o segundo símbolos desta vigésima primeira seqüência quíntupla é, com efeito, muito significativo.  Pode não haver um significado particular no fato de a mulher que cuida da criança, neste símbolo, ser chinesa.  Talvez a mediu que visualizou a cena tenha confundido uma tibetana com uma chinesa e tenha pensado, inconscientemente, no processo tão familiar por meio do qual um novo dalai-lama, ou outros grandes lamas, são procurados entre crianças recém-nascidas.  A palavra-chave é REVELAÇÃO. “


Segundo minha (Janine Milward) Síntese/Releitura:

O grau 12 de Câncer nos revela uma pessoa ou situação que, ao longo de sua existência, vai aprendendo a perceber as partes mais características do todo, ou seja, o âmago, o umbigo, da situação dada, percebendo a mensagem, o significado essenciais do todo. Então, procura estabelecer esta condição junto ao seu conhecimento tanto intuitivo pessoal quanto ao conhecimento adquirido ao longo de sua vida, revelando ao mundo aquilo que considera suas verdades. Sua palavra-chave é "Revelação".


Segundo Marc Edmund Jones:

“ Uma mulher chinesa tomando conta de um bebê com uma mensagem.  Este é um símbolo que trata da extensa ramificação da experiência através a qual o homem alcança suas maiores oportunidades, enfatizado o lado inteiramente pessoal de forma que ele possa incluir seus próprios dons em relação à raça como um todo, em um complexo individualizado de talentos e habilidades.  A vida ganha significação dentro do conceito de que cada pessoa abraça a totalidade pertencente à sua própria espécie e de sua própria maneira, ou procura incorporar valores universais em sua consciência do dia-a-dia.  A palavra-chave é MATERIALIZAÇÃO.  Quando positivo, o grau aponta para o dom de trazer as fontes advindas de Deus ou poderes superiores do Eu a um ponto de serviço comunitário real.  Quando negativo, buscas por reconhecimento que se mostram inteiramente sem sentido. “

.................................................................................................... (a continuidade deste Texto encontra-se no original do Capítulo 20)



Em seguimento, encontre os Títulos/Temas constantes em seus 22 Capítulos/Volumes
de Seu Livro de Vida :


SEU LIVRO DE VIDA
Astrologia da Alma e do Auto-Conhecimento
Obra em 22 Capítulos apresentados em 22 Volumes


Primeiro Tomo
Fundamentando Seu Livro de Vida
Capítulos de 1 a 6

Capítulo 1
O RISCO DO BORDADO
Apresentação da Obra Seu Livro de Vida, em 22 Capítulos
Alguns Conceitos Fundamentais acerca a Astrologia da Alma e do Auto-Conhecimento
Sobre o Trabalho dentro da Consultoria Astrológica e sobre as Ferramentas de Trabalho
Exemplo Prático de Escrita de SEU LIVRO DE VIDA, em sua íntegra


Capítulo 2
O CÉU ESTRELADO
Astronomia e Astrologia
suas Semelhanças e suas Diferenças
SIMULTANEIDADE E SINCRONICIDADE
Arquétipo, Linguagem, Inconscientes Pessoal e Coletivo,
Conscientes Pessoal e Coletivo, Imagens, Mitos e Símbolos
ESCLARECENDO ALGUMAS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS:
Uma conversa entre Caminhantes Estudiosos de Astronomia e de Astrologia e Janine,
em Zigurate moderno, o Sítio das Estrelas
Textos  vários sobre Cosmologia, Astronomia e Mecânica Celeste

Capítulo 3
A MANDALA ASTROLÓGICA
A representação da Terra - através o momento do evento em suas Latitude e Longitude - acolhendo todo o Risco do Bordado: Casas Astrológicas, Signos, Luminares, Planetas, Planetóides e Pontos
SIMULTANEIDADE E SINCRONICIDADE
Inconscientes Coletivo e Pessoal e Consciente: Arquétipo, Linguagem, Mitos e Símbolos
Os Primórdios da Compreensão sobre o Risco do Bordado acolhendo seu Baile dos Arquétipos

Capítulo 4
CASAS ASTROLÓGICAS, SIGNOS, LUMINARES, PLANETAS, PLANETÓIDES
No Grande Teatro da Vida, Cenários, Textos, Atores e Atrizes

Capítulo 5
ELEMENTOS, QUALIDADES E GÊNEROS
Fogo, Terra, Ar e Água - Começo, Meio e Fim - Yang e Yin

Capítulo 6
OS ASPECTOS
O Grande Baile dos Arquétipos em suas interações mais harmoniosas ou menos harmoniosas


Segundo Tomo
Desenvolvendo Seu Livro de Vida
Capítulos de 7 a 17

Capítulo 7
OS TRÂNSITOS
Redesenhamentos sendo acrescentados ao desenho primordial
de nosso Risco do Bordado e seu Baile de Arquétipos, em nossa vida

Capítulo 8
REVOLUÇÕES SOLARES E LUNARES
Redesenhamentos sendo acrescentados à nossa Vida
Em Ciclos Anuais e Mensais

Capítulo 9
As Interações entre Terra/Homem e Lua e Sol - Parte I
 As Fases da Lua e as Meditações de Lua Nova e de Lua Cheia
OS OITO TIPOS DE PERSONALIDADE
Luas da Alma, Ninhadas da Alma, Intenções da Alma
A PARTE DA FORTUNA, O PONTO DE ILUMINAÇÃO E A PARTE DO ESPÍRITO
 Os Eclipses Solares e Lunares

Capítulo 10
As Interações entre Terra/Homem e Lua e Sol - Parte II
O TREM DA VIDA
O DRAGÃO DOS CÉUS, CABEÇA E CAUDA - OS NÓDULOS LUNARES
Quem somos, de onde viemos e para onde vamos
Os Conceitos Fundamentais sobre a Astrologia da Alma

Capítulo 11
As Interações entre Terra/Homem e Lua e Sol - Parte III
O TREM DA VIDA
DRAGÃO DOS CÉUS -  NÓDULOS LUNARES
E SEUS CICLOS
Quem somos, de onde viemos e para onde vamos
Os Conceitos Fundamentais sobre a Astrologia da Alma

Capítulo 12
URANO E SEUS CICLOS
O Despertador da Consciência mais Ampliada que redesenha nossa vida a partir de cortes guilhotinais e inesperados.  A Revelação do Desejo de Encarnação, da Alma.

Capítulo 13
SATURNO E SEUS CICLOS
O Senhor do Tempo, do Umbral e do Karma

Capítulo 14
QUÍRON E SEUS CICLOS
O Curador Ferido e Mestre dos mestres

Capítulo 15
JÚPITER E SEUS CICLOS
O Dharma, o Deus dos Deuses e dos Homens, Benfeitor e Justiceiro

Capítulo 16
NETUNO E PLUTÃO E SEUS CICLOS
A Transcendência
 e a Metamorfose e Regeneração

Capítulo 17
A PROGRESSÃO
A eterna mutação acontecendo no Risco do Bordado,
trazendo os redesenhamentos em nosso Grande Teatro da Vida


Terceiro Tomo
Concluindo Seu Livro de Vida
Capítulos de 18 a 21

Capítulo 18
SINASTRIA E MAPA COMPOSTO
Compreensão mais Aprofundada acerca os Inter-Relacionamentos entre os Seres

Capítulo 19
ESTRELAS E CONSTELAÇÕES (FIXAS)  PROTETORAS
A Interação entre Astronomia e Astrologia
 através a Efetiva Vivência dos Mitos e Símbolos apreendidos através as luzes do céu noturno,
ao longo dos 360 graus da Mandala Astrológica

Capítulo 20
SÍMBOLOS SABIANOS
360 graus da Mandala Astrológica traduzidos em Verdades Universais

Capítulo 21
ARQUEOLOGIA DA ALMA
O Processo de Auto-Cura e de Aprofundamento do Auto-Conhecimento
 através a Expansão da Mente


Epílogo
Capítulo 22
A ESTRELA DE BELÉM
Minha contribuição pessoal para este Tema tão polêmico
Viajantes das Estrelas - fusão entre espiritualidade, astronomia e astrologia
Descrição Detalhada dos 22 Capítulos/Temas/Volumes constantes em Seu Livro de Vida



Quem Escreve SEU LIVRO DE VIDA:


Janine Milward nasceu em Nova Friburgo, RJ, num vale rodeado por belas e altas montanhas, no inverno do hemisfério sul, em 1950.

Já no Rio de Janeiro, enveredou através a Psicologia (infelizmente não concluída) e fundamentalmente, através a Psicanálise como trampolim para melhor entender a psiquê dos homens... quando conheceu mais de perto a Astrologia, estudando autodidatamente e tornando-se então, conselheira astrológica e professora dessa ciência.

Nesse meio tempo, também enveredou pela espiritualidade do Tao primordial, através a espiritualidade e os ensinamentos de Lao Tsé, o Mestre, transcrevendo as aulas gravadas por Wu Jyh Cherng.

Mais tarde, já em Petrópolis e depois, em Sapucaia, passou a intensificar seus estudos de astronomia, mecânica celeste e cosmologia bem como do Tao Primordial, escrevendo sobre o I Ching, o Livro das Mutações, e o Tao Te Ching, o Livro do Caminho e da Virtude.

Em 1998, Janine construiu suas raízes no Sitio das Estrelas. Nesse lugar, encontrou-se com o Tantra primordial através a espiritualidade e os ensinamentos de Srii Srii Anandamurti, O Mestre.

O Sítio das Estrelas é um Ashram, com Janine como Guardiã, e onde mora e trabalha e abre a porteira para receber os Caminhantes que desejam usufruir dos Retiros Espirituais e Encontros sobre os Temas acima mencionados e dos Trabalhos e Vivências em Espiritualidade e Prática na Meditação e em Imersão no Auto-Conhecimento.

Namaskar! Eu saúdo você com minha mente e com meu coração!

Saiba mais sobre os Trabalhos de Janine Milward 
acessando sua Página Principal:

http://paginadajanine.blogspot.com.br/





Com um abraço estrelado,
Janine Milward
Seu Livro de Vida
Compêndio sobre Astrologia da Alma e do Auto-Conhecimento,
Em 22 Capítulos/Volumes
© 2008 Janine Milward


Namaskar!
Eu saúdo você com minha mente e com meu coração!